Pular para o conteúdo principal

O morto!





Na rua estreita e tranquila,
Onde os salgueiros e seus ramos,
Desenham rendas no chão!
Com eles colaborando, o sol de outono, 
E as estranhas manhãs ensolaradas.
Do nada, um solitário caminha,
Vai até o boteco da esquina e pede um café.
Toma devagar, pensa na noite mal dormida,
Pensa na vida, a cabeça a mil.
Homem que caminhou pelos caminhos do mundo,
Teve mais que por um segundo, sucesso, dinheiro!
Viveu o tempo inteiro sem tempo pra nada!
Meu camarada, mais um café! Pede em voz rouca.
Só café? 
Pergunta o garçom.
Sim, só café! 
E pensou: A grana é pouca!
Tomou o café com a mente em silencio,
Não queria pensar agora !
Não queria se importar com o que acontecia lá fora!
Perdera o respeito dos outros e o seu próprio!
Na vida quebrou barreiras com sua capacidade de convencer,
Percorreu de alto a baixo o tapete vermelho, mas tudo deu em nada!
Traição, portas fechadas, trapalhadas, 
Enfim! Deu com os burros n'água.
Não tinha coragem para enfrentar as próximas horas,
Os próximos segundos, os próximos anos!
Queria arrumar uma vítima para o sacrifício, e se safar,
Mas não ia colar, e triste seria mais esse fato! Não ia convencer.
Eram dez horas da manhã de domingo!
Manhã de outono, sol moderado,
Um silêncio triste no bar Sinuoso, da curva do rio,
Rua estreita e tão tranquila, que até parece brincadeira!
O solitário descansa a cabeça sobre a mesa de madeira.
Parece agora tão frágil, tão pequeno, tão defunto.
Tão imóvel, os pés juntos, tão frios, tão mortos
Tão covardes, tão tolos!


Di Vieira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Só pra você saber

Todas as manhãs quando acordo, Quero ir! Todas as manhãs quero ir e não sei porque, Desisto! Desisto e insisto em você! O brilho que havia em meu olhar, Jaz afogado em mágoas de antigas ilusões! Maneiras de agir, e falar, São aparentes motivos pra brigar. Brigamos por tudo e por nada, Falamos sem nem sequer pensar! Até já disse pra você, que isso não é amor,  Que é pura loucura! A gente não se entende mais! E a cada vez que isso acontece,  Você jura que não vamos mais brigar. Mas nunca é assim! Já entendi que eu não nasci pra você, e você não foi feito pra mim! Ah se eu conseguisse falar tudo o que quero! Ah se ao menos eu conseguisse dizer tudo o que penso! Mas sinceramente nem tenho certeza se é isso o que desejo! Não tenho mais certeza de nada! Ah se ao menos eu conseguisse falar! Se ao menos eu conseguisse dizer adeus!
Di Vieira

#Estrelas

Colhi estrelas distraídas, Pelo caminho da vida, Por estradas disformes, Por pontes de concreto. Por buracos abertos no peito. Colhi verdades, Ri das mentiras, dos deboches, Deslizei na rampa escura. Insegura, pura, problemática, Simpática, de verde e amarelo! Revi meu olhar mais crítico, Desfiz o olhar mais duro. O partido do "Nem aí", Desconfiei da desconfiança! O sol da esperança, Não se escondeu no cinza de maio. Então, nas noites frias procurei estrelas, Entre os edredons curti sozinho, A vida que valeu à pena! As pedras, os caminhos complicados As coisas que acertei, As que deram errado, Quem não me amou, Por quem fui amado. Distraidamente captei tudo, Distraidamente selecionei estrelas. Grandes e pequenas. E só guardei as do melhor tipo, As do tipo que vale à pena!
DiVieira

Coração partido

Descobri que coração partido Pode não ser força de expressão, Pode ser verdade! Descobri que a saudade que não passa, Continua machucando! Que as coisas que a vida ensina, Nem sempre são boas, Mas são necessárias! Descobri que apesar de serem várias as lições da vida, Nem todas serão colocadas em prática, Assim como os vários enigmas da matemática, Ou a exata conjugação dos verbos. Descobri que sou outra pessoa sem você. Nem melhor, nem pior, só outra!
Descobri que quero muito te encontrar, Para que eu possa me encontrar de novo, Quero juntar de mim, o que mais me interessa,
O que mais gosto de mim! Às vezes tenho pressa disso! Às vezes perco o sono por isso! Por causa disso, me perco num abandono carente de abraço, E a lâmina fria da tristeza, rasga meu peito covardemente! Ai que vontade de voltar pra casa! Que vontade de te ver lá de novo! Olho-me no espelho, e vejo você! Descobri que sem você, O mundo perdeu muito do encanto, Entretanto, apesar dos pesares, Entre os trancos e barrancos, 
Tô aí, sobrevivendo!

Di…