Total de visualizações de página

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

NICE



Cheguei!
Cara, coragem, peito aberto,
Abrindo caminho, desbravando o mundo
Descobrindo o sorriso sem apelo, sem medo
"Numa Nice"!


Plantei
Rosas tão belas, retirei os espinhos,
Chorei sozinho o que era meu,
Vivi a vida que Deus me deu pra ser feliz,
"Numa Nice"!

Do que fui!
Me arrependi, me perdoei,
Considerei os acertos e os erros
Me convenci, me conheci pra viver de bem comigo,
"Numa Nice"!

Hoje eu sei,
Dirão os fracos que foi moleza,
Não foi!
Mas com certeza, tenho a dizer
É que na prática o melhor é viver,
 Viver sem reclamar, 
Viver o que for possível for
Deixar a Deus o impossível,
Viver  e gozar o bem querer,
"Numa Nice"!

Di Vieira

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

MARA



É um mar !
De emoções fortes,
De explosões de carinho
De ondas magníficas explodindo na areia
Mar sozinho em suas entranhas
Mar que assanha os olhos da gente
Quente, espelho de nuvens passageiras
De lua cheia de amor e loucura
Pura como os bons sentimentos
Vento de barcos pequenos de berrantes cores
Mar de amores felizes arrebatados
Mar encapelado, sem calma, penetrante
Gigante forte, fraco, transparente,
Gente! Sensível , atraente, agua fresca
Agua amarga, água doce, doce mar,
Que transborda nos rios como se fosse
Tempestade de lágrimas de rir e chorar .

Di Vieira

terça-feira, 21 de agosto de 2012

QUASE MOÇA




A mágoa calou no peito o sentimento de menina.
Ainda nem se livrara dos laços nos cabelos
Das tranças nos ombros, do olhar cabisbaixo,
Desejara tanto a saia de cós alto, a blusa banlom ,
Mas era ainda tão menina!
Quase moça! Dizia enquanto folheava o livro.
Relembrando o dia em que colheu a rosa,
que hoje descansava entre as folhas amarelas.
Era quando fresca tão bela!
Mas quando você mal pensa o tempo passa
E deveras hoje tem a mesma graça da flor,
Só que  empalhada!
Queria mesmo era ser amada pelo militar moreno!
Desenhar dentro do quepe pequeno
 Dois corações, duas letras iniciais do nome,
Mas ele sorri, diz que imaginação é seu nome,
Beija seus cabelos e some entre as arvores da praça.
A zanga a abraça e não lhe deixa,
Queria ficar com ele e a farda branca de ilhós dourado,
Navegar por mares distantes, oceanos azulados
Ele com o quepe e as iniciais que pensou fazer e nem fez,
Velejando no navio de papel, por onde o tempo não passa
Navegando nas águas doces do chafariz,
 Ali mesmo, no centro daquela praça.!


Di Vieira

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

MARIA DO SOL.



Se eu fosse você, me amaria!
Maria do sol, da lua, das estrelas,
Dos festejos da alegria.
Se eu fosse você me olharia!
Sorriria com sorriso de quem gosta,
Diria que jamais me esqueceria,
Ah! Se eu fosse você!
Apesar do embaraço, correria pros meus braços,
Sem me importar com a língua alheia,
Que ódio semeia, inveja a nossa alegria.
Ah se eu fosse você Maria,
Com isso nem me importava,
Se eu fosse você Maria,
Se aninhava em meu peito
Sorriria de quem te desdenhava,
Se eu fosse você Maria,
Eu diria o quanto me amava!

Di Vieira

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

ELOIZA



                 
Pensei no teu sorriso,
Teu riso, Tua gargalhada insana,
Foi bacana lembrar de você.
Por horas inteiras mergulhei na felicidade dos simples.
Na felicidade sem fronteira
Dessas que se vê no rosto, nos olhos que brilham,
Queria tanto  ter  você por perto!
Gosto tanto de lembrar de você!
Meu bem querer, minha flor,
Aragem do meu sertão,
Brisa que me encanta, meu alento!
Eloíza, Eloíza! Canta o vento.
Venta suave,  canta a brisa
Mas sem vocês sou cão sem dono
Fico sem sono, nasce o sol, e não dormi
De alguma maneira sei que tudo está bem!
Que foi  só saudade do teu sorriso
Recordações de você,
Você minha flor, meu bem me quer,
Meu bem querer,



Di Vieira