Total de visualizações de página

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Primavera e cores


Resultado de imagem para borboletas amarelas primavera

Antes,
Folhas do outono caiam,bege, laranja,
E os pretos, os brancos, os cinzas 
esfumaçados do inverno,
Precediam aos vermelhos, lilases,
Das fugazes rosas cores,
Das flores cheirosas, perfumadas!
Então, as vibrantes chuvas bem vindas,
Caiam lindamente, airosamente!
Seja sempre bem vinda perfumosa primavera!
Elegante, estilosa,
Em trajes de cores vibrantes,
Entretons lilases, verdes, rosas,rosa.
Será essa a nova estação?
Ameaço de verão que chega mais cedo?
Oh musa da passarela,
Arrogante, sem medo!
Bela, quase perfeita!
Mas sem borboleta amarela voando ao meu redor,
Sem as lavadeiras e suas asas transparentes
Roçando as flores na beirada do rio,
Desafiando os olhos da gente.
Sem as juras que o vento trazia no fio de cabelo do meu nariz,
Que nesse dia, eu seria feliz por inteiro, 
E hoje, quase por um triz de perder tudo o que tenho direito,
Os perfumes, as flores no campo a caminho da escola
As flores e cores que eu quisesse imaginar,

Sinto falta até dos pirilampos,
Todos aqueles que não consegui pegar! 



Di Vieira

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Coração partido







Descobri que coração partido
Pode não ser força de expressão,
Pode ser verdade!
Descobri que a saudade que não passa,
Continua machucando!
Que as coisas que a vida ensina,
Nem sempre são boas,
Mas são necessárias!
Descobri que apesar de serem várias as lições da vida,
Nem todas serão colocadas em prática,
Assim como os vários enigmas da matemática,
Ou a exata conjugação dos verbos.
Descobri que sou outra pessoa sem você.
Nem melhor, nem pior, só outra!

Descobri que quero muito te encontrar,
Para que eu possa me encontrar de novo,
Quero juntar de mim, o que mais me interessa,
O que mais gosto de mim!
Às vezes tenho pressa disso!
Às vezes perco o sono por isso!
Por causa disso, me perco num abandono carente de abraço,
E a lâmina fria da tristeza, rasga meu peito covardemente!
Ai que vontade de voltar pra casa!
Que vontade de te ver lá de novo!
Olho-me no espelho, e vejo você!
Descobri que sem você,
O mundo perdeu muito do encanto,
Entretanto, apesar dos pesares,
Entre os trancos e barrancos, 
Tô aí, sobrevivendo!


Di Vieira

domingo, 6 de setembro de 2015

Lágrimas nos olhos









Eu também tinha lágrimas em meus olhos.

Ninguém deu importância!

Só Deus, só Deus se importou.

Eu também tinha lágrimas em meus olhos,

E só Deus me deu a mão, me levantou,

Me pôs de pé, e disse: Vai!

A vida continua, a estrada é longa,

Segura a mão do teu irmão, ajuda!

Deixa que Eu seguro a tua!

Eu ainda tinha lágrimas em meus olhos,

Feridas na alma.

Só Deus me deu calma para não gritar,

Não enlouquecer!

Ainda tenho lágrimas nos olhos, soluço na voz,

Sem Deus, o que seria de mim, o que seria de nós?

Tenho lágrimas nos olhos, mas Deus as enxuga com doses homeopáticas 

do amor que cura.

Um dia, limpará dos meus olhos toda a lágrima, (Apocalipse 21- 1,4)

Ainda há um soluço da saudade, uma vontade de vê-los outra vez,

Me jogar tranquila num abraço sincero,

Num lugar onde não haverá mais morte, nem pranto, nem dor.

Eu ainda tenho lágrimas nos olhos,

Mas quase ninguém viu, quase ninguém notou!




Di Vieira