Total de visualizações de página

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Helena



Helena reinava na orla
Descia as escadas,
Deitava na areia,
Na veia, um deserto gelado,
No olhar, a sombra do pecado que campeia!
À noite, a areia, o desencanto,
À noite, a sereia e seu pranto,
À noite, o canto, o desabafo.
À noite, a melancolia,
A tristeza, a vida vazia,
Marcada por tanta carência,
Travando a cada ponto, a existência,
Encurtando a paciência e a espera.
Na alma, o gemido cortado suspira,
A noite pira, enlouquece, não descansa.
Há noite com cara de noite,
E há gente com noite na alma,
Com garras e disfarces aparentes...
Presentes, 
Na mais aparente calma!


Di Vieira

Nenhum comentário:

Postar um comentário