Descompassado



Caído, descompassado
Cansado,
Solidão nos olhos,
Longe, tão longe que nem sabe o quanto!
No entanto, sabia que a viagem era longa,
Dentro dessa vida tão curta!
Curtiu o quanto pôde, 
Curtiu sempre que pôde!
Nem sempre deu!
Nem sempre pôde!
Procurou achar nos sonhos
As ilusões perdidas.
Procurou achar na maior calma,
O que sua alma procurava.
Ainda assim, e também no entanto,
Sempre lidou com a solidão, e o pranto!
Às vezes "aquele" cansaço.
Aquele "Ai quem me dera!”
Aquela ansiedade da espera,
O desprazer de recordar a dor do passado.
Mas caminhava lado a lado,

Uma pequenina esperança,
Junto as pequeninas lembranças!
Mergulhado entre lembranças e planos,
Nesses tantos anos, 
Tantos!!!
Tanta solidão!
Longe de tudo o que sempre quis.
Longe de ser completo,
Longe de ser um ser,totalmente correto,
Longe de ser,
Completamente feliz!


Di Vieira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Benditas estradas, sinuosos caminhos

Juliana

Luz, câmera, ação!