#Não!



Pode parecer confuso,
Mas sabe o que eu estava pensando agora?
Em você! Em nós!
Pela derradeira vez,
É o que eu espero!
Só que no fundo me recuso a esquecer!
E sinto às vezes, saudades da nossa vidinha.
Os beijos, os abraços, os selinhos,
Alguns ingredientes, secreto dos nossos carinhos!
No entanto a triste lembrança de suas mãos abanando,
Como se eu já fosse tarde,
Ainda me arde o peito, rasga-me a alma!
Guardo isso como lembrança, 
Uma cicatriz de guerra.
E você, guarde meu nome, meu cheiro,
A marca no travesseiro, que está solitário agora,
Ou jogue tudo fora,
Pra você, não valho mais nada mesmo!
Todavia, eu guardarei a minha história,
E a contarei do meu jeito,
Em respeito aos dias felizes que vivemos!
Essa é a minha história, essa eu conheço!
Sei que paguei um grande preço pela indecisão,
Deixei que cravasse suas garras em mim,
E assim, deixei de viver, pra respirar você!
Há quem diga, ser castigo pelos meus pecados!
Que pecado?  Amar, e querer ser amado?
O fato é que, se precisar de alguma coisa,
Pode me procurar!
E eu volto!
Volto, pra olhar na sua cara,
E dizer que não volto!
Volto, pra dizer que agora eu tenho vida!
Volto só pra dizer não,minha querida!
                                   


 Di Vieira



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Benditas estradas, sinuosos caminhos

Juliana

Luz, câmera, ação!