Resumo




Lembrei-me que sou pó 
E me vesti de lágrimas.
Lágrimas pela soberba de me achar eterno!
Desfiz-me da arrogância e me senti capaz de amar.
Amar como um cão, mesmo na coleira.
Besteira ser super, ser poderoso!
Gostoso é mergulhar no olhar e descobrir o infinito.
Bonito é cantar sem acompanhamento,
Só por estar feliz,
É saborear estalando a língua,
O doce presente com recheio de anis! 
É sentir a cada momento o sussurrar das ondas fazendo festa,
É tão doce o meu sofismo,
Que descanso na praia do otimismo.
Percebendo o acordar das flores cutucadas pelo orvalho.
Bonito e necessário, é descobrir o carinho que há em suas mãos
E então me descobrir frágil, dócil, 
Poeira na constelação,
De seres finitos no infinito transitório,
Tão nada, tão provisório
Quanto uma bolha de sabão!


Di Vieira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Benditas estradas, sinuosos caminhos

Juliana

Luz, câmera, ação!