O anel



Curvou os joelhos em terra,
Após passos indecisos.
Tivera uma vida atormentada!
Tinha a alma angustiada!
Estava à beira do abismo!
Ecos, gritos adormecidos explodiam!
Soluços abafados brotavam na garganta.
Queria ter tido vida santa, 
Vestes sem mácula.
Queria ter ficado em casa junto aos pais.
Mas o passarinho criou asas,
Rasgou o céu na negrura da noite,
Penetrou por própria vontade,
Na gaiola do mal.
Vendaval, chuva forte,
Corte nos pés, dor na alma,
Seiva da vida indo embora!
E agora?
Afundado nas cinzas, encobre o rosto,
Rasga as vestes, esmurra o peito,
E apesar de não ter direito,
Pede misericórdia, piedade,
E obteve!
Sem vaidade, sem arrogância.
De joelhos no chão batido,
Envergonhado, arrependido.
Sente a mão suave, erguer-lhe a carcaça,
Ajudar-lhe nos primeiros passos,
Dar-lhe segurança e um novo começo!
As conexões inseguras ficaram no passado!
Na volta, perdão,
E um futuro limpo de fato!
Sem condenações, sem reprovações.
O anel no dedo,
É um elo desse amor imenso!
Amor ofertado,
Amor sagrado!
É luz, que ilumina escuridões, 
Apaga cicatrizes.
Perdoa pecados,
Alegra almas,
 Sara corações!

Comentários

  1. Adorei tuas escritas ,teu espaço,adorei e adoro ,você!

    ResponderExcluir
  2. Linda! Seu comentário me deixou muito feliz Izildinha Renzo. Muito obrigada.

    ResponderExcluir
  3. Linda! Seu comentário me deixou muito feliz Izildinha Renzo. Muito obrigada.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Benditas estradas, sinuosos caminhos

Juliana

O que somos?