Total de visualizações de página

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Sonhos



Sonhos são assim!
Loucos, quase sempre!
Mágicos,
Trágicos!
Passados no passado,
Lembrados no futuro
Questionados no presente.
Preso nele, quero fugir,
Solto, não quero sair.
Quero juntar os pedaços,
Fazer lógicas, às ações sem sentido.
Entre mil olhares ocupados,
Alertando mil ouvidos cansados.
Entre mil e um sonhos recheados,
De promessas, de ameaças,
De sorrisos, de saudades,
De corridas, e quedas,
De buscas, e fugas,
De saudades, e medos,
Segredos.
Sonhos,
Penetrando as sombras,
Dando vida ao sono,
Sonho,
E no abandono, tudo se eterniza.
Quando vier, me avisa!
E venha só quando quero,
Quando espero!
Não quando queiras!
Venha,
E desperte a lembrança,
Da pequena criança
Que vez por outra, de sono desmaia.
Caminhe entre as adormecidas flores
Que exalam perfumes e carinho,
Beije meu rosto bem devagarinho,
E em silencio, saia!

Di Vieira

Nenhum comentário:

Postar um comentário