Pular para o conteúdo principal

DESVAIRADA FANTASIA




É tarde para caminhar sem loucuras
Já que a inocência completou o seu percurso
E concluiu que nada sabe, 
Que nada viu que possa acrescentar como conselho,
Aos hábitos e costumes dos que querem julgar e não olham espelho,
Dos que apreciam enquanto as flores fenecem
E os delicados lábios murcham
Enquanto a boca seca, quanto lhe proíbem palavras
Enquanto o sorriso amarelo doente acamado,
Dorme nos lábios do sol, e se queima no brilho da lua
A agonia e a miséria, é minha e sua,
Mas o universo  cai de amores por flores pequenas e infelizes
Flores atrizes da divina comédia pop
Dos cânticos nos tímidos corais de rock
Dos choros frenéticos, das depressões imaginárias
Da roleta russa no peito afeito as facécias humanas
Enquanto as borboletas de dia e de noite movem suas asas
Girando o mundo  entre fantásticas princesas e fadas!
E ainda existem fadas doidas  que pensam ser meninas,
E loucas meninas que voam, e pensam que são fadas
É nada! Acabou-se a ilusão!
Mas enfim tudo um dia acaba
E no fim tudo termina do mesmo jeito para heróis e bandoleiros.
Na crise dos sonhos, ensinando teorias alheias
Sobre suspeita de nada saber e na escassez da vontade que jura ter.
Já é quase noite e a loucura não é mais um grito,
É um sorriso bonito!!! Tão bonito que parece lindo,
Tão lindo que até parece uma extensa sinfonia
Que deve-se ouvir à noite e ser esquecida de dia,
Onde aquecido pelo falecimento covarde da vida vazia,
E esquecido do pequeno acordo entre a alucinada quimera
E a frenética, desvairada e arrebatadora fantasia,
Se deitará no solo ressecado, entre as flores murchas, 
Sem nenhum gemido.  

Di Vieira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Só pra você saber

Todas as manhãs quando acordo, Quero ir! Todas as manhãs quero ir e não sei porque, Desisto! Desisto e insisto em você! O brilho que havia em meu olhar, Jaz afogado em mágoas de antigas ilusões! Maneiras de agir, e falar, São aparentes motivos pra brigar. Brigamos por tudo e por nada, Falamos sem nem sequer pensar! Até já disse pra você, que isso não é amor,  Que é pura loucura! A gente não se entende mais! E a cada vez que isso acontece,  Você jura que não vamos mais brigar. Mas nunca é assim! Já entendi que eu não nasci pra você, e você não foi feito pra mim! Ah se eu conseguisse falar tudo o que quero! Ah se ao menos eu conseguisse dizer tudo o que penso! Mas sinceramente nem tenho certeza se é isso o que desejo! Não tenho mais certeza de nada! Ah se ao menos eu conseguisse falar! Se ao menos eu conseguisse dizer adeus!
Di Vieira

#Estrelas

Colhi estrelas distraídas, Pelo caminho da vida, Por estradas disformes, Por pontes de concreto. Por buracos abertos no peito. Colhi verdades, Ri das mentiras, dos deboches, Deslizei na rampa escura. Insegura, pura, problemática, Simpática, de verde e amarelo! Revi meu olhar mais crítico, Desfiz o olhar mais duro. O partido do "Nem aí", Desconfiei da desconfiança! O sol da esperança, Não se escondeu no cinza de maio. Então, nas noites frias procurei estrelas, Entre os edredons curti sozinho, A vida que valeu à pena! As pedras, os caminhos complicados As coisas que acertei, As que deram errado, Quem não me amou, Por quem fui amado. Distraidamente captei tudo, Distraidamente selecionei estrelas. Grandes e pequenas. E só guardei as do melhor tipo, As do tipo que vale à pena!
DiVieira

Coração partido

Descobri que coração partido Pode não ser força de expressão, Pode ser verdade! Descobri que a saudade que não passa, Continua machucando! Que as coisas que a vida ensina, Nem sempre são boas, Mas são necessárias! Descobri que apesar de serem várias as lições da vida, Nem todas serão colocadas em prática, Assim como os vários enigmas da matemática, Ou a exata conjugação dos verbos. Descobri que sou outra pessoa sem você. Nem melhor, nem pior, só outra!
Descobri que quero muito te encontrar, Para que eu possa me encontrar de novo, Quero juntar de mim, o que mais me interessa,
O que mais gosto de mim! Às vezes tenho pressa disso! Às vezes perco o sono por isso! Por causa disso, me perco num abandono carente de abraço, E a lâmina fria da tristeza, rasga meu peito covardemente! Ai que vontade de voltar pra casa! Que vontade de te ver lá de novo! Olho-me no espelho, e vejo você! Descobri que sem você, O mundo perdeu muito do encanto, Entretanto, apesar dos pesares, Entre os trancos e barrancos, 
Tô aí, sobrevivendo!

Di…